As 1,7 mil mulheres em idade para fazer mamografia no município têm até hoje para se inscreverem na SMS e realizarem os exames na unidade móvel do Governo de Goiás

O município de Itarumã, na região sudoeste do Estado, recebe nesta semana um importante alento para a realização de mamografias na população feminina adulta. A Carreta da Prevenção, vinculada à Policlínica Estadual da Região Sudoeste – Quirinópolis, fica até a tarde dessa sexta-feira na cidade atendendo as pacientes inscritas.

Letícia Teixeira de Oliveira, secretária de Saúde do município, comemorou com as mulheres que foram agendadas para fazer mamografia e exame preventivo de câncer de colo uterino. “Temos uma população feminina adulta de mais de 1,7 mil mulheres aptas a fazer mamografia e também exames de Papanicolau. Receber essa unidade móvel agora será muito bom para reduzirmos a fila de espera”, comenta.

Nome de referência da Carreta da Prevenção, a Unidade Móvel de Prevenção de Câncer de Mama e de Colo Uterino é um serviço do Governo de Goiás vinculado às Policlínicas e percorre municípios levando esses exames gratuitos. Antes de Itarumã, a mesma carreta esteve em Doverlândia, Serranópolis e Mineiros, também na região sudoeste, atendidas pela Policlínica Estadual de Quirinópolis.

A secretária lembra que normalmente as mulheres do município são encaminhadas a cidades como Rio Verde, Jataí e até Quirinópolis mesmo. “Esse serviço vindo à nossa cidade é importante, pois elimina entraves como deslocamento para outros municípios, custo de viagem, dificuldades das pacientes em faltar ao trabalho para viajar e fazer o exame. Além disso, aumenta a confiança das pacientes em ter a equipe à qual tem vínculo junto dela no exame. Muitas não vão porque têm medo de ir sozinhas para outros municípios pra fazer exame.”

Coordenador-geral da Policlínica Estadual de Quirinópolis, Paulo Fernandes conta que o próximo município a receber a Carreta da Prevenção será Caiapônia. “Vamos levar até essa cidade o mesmo padrão de atendimento humanizado e de excelência para a população”, prevê.

Hélmiton Prateado (texto e foto)/Instituto CEM

Ajustar fonte