Ação educativa foi voltara para os pacientes da hemodiálise

Os pacientes da hemodiálise da policlínica Estadual da Região Sudoeste – Quirinópolis tiveram na tarde desta quinta-feira, 10, uma atividade educativa com a equipe multiprofissional da unidade sobre as frutas com maior concentração de potássio, mineral presente nos alimentos, principalmente nos de origem vegetal como frutas, verduras, legumes e feijão.

A nutricionista Érica Rodrigues explica que a preocupação em manter o potássio plasmático nos valores considerados normais é grande, uma vez que, tanto a sua falta como o seu excesso podem levar a arritmias cardíacas e morte súbita. “Uma das funções dos rins é regular a quantidade de potássio no sangue. Eles são responsáveis por excretar 90% da carga ingerida do mineral. Quando os rins não são capazes de cumprir esta função de forma eficaz, o nível de potássio no sangue sobe”, afirma.

Segundo a profissional, uma das formas de reduzir a concentração de potássio em alguns alimentos é através do processo de desmineralização. “Uma vez que o potássio apresenta facilidade em ligar-se às moléculas da água, após cozimento, esses alimentos perdem algum potássio presente nos alimentos ao natural ou em cru. Praticado este processo de desmineralização, os legumes e hortícolas ficam naturalmente mais pobres em potássio”, explica.

Érica ressalta que conhecer os alimentos mais ricos em potássio ajudam no dia a dia do paciente, principalmente no período em que fica mais tempo sem fazer hemodiálise. A equipe apresentou aos pacientes frutas com alto e baixo teor de potássio. “Um destaque é a Carambola, independente do seu conteúdo de potássio, apresenta uma substância tóxica ainda não identificada, que pode causar desde soluços até coma e morte em pacientes com DRC”, concluiu.

Formas de desmineralização dos alimentos

Colocar os alimentos cru, cortados no maior número de porções possíveis, deixar de molho pelo menos durante 2 horas. Rejeite essa água e repita o processo.

Colocar os legumes para cozinhar durante 10 minutos, rejeitando a água da primeira fervura. Voltar a colocar os legumes numa nova água, já a ferver, para terminar o processo.

“Em ambos os casos é importante não esquecer de rejeitar a água, pois estão muito concentradas em potássio. É importante entender que nenhum deste processo retira a totalidade de potássio presente nos alimentos. Lembre-se que o potássio vai acumulando no organismo desde o fim do último tratamento até ao início do tratamento seguinte. Para alguns doentes, a hemodiálise é a única forma de remoção potássio acumulado no organismo”, finaliza Érica.

Ajustar fonte